Novo no Luscofia? Começa aqui!

Começar como Trabalhador Independente

Este artigo é para te ajudar a começar a seres trabalhador independente. Mesmo que já o sejas a algum tempo, mesmo que não tenhas tomado a decisão do dia para a noite. Aqui estão organizados alguns passos sobre a informação que deves procurar e como começares a tomar conta das tuas finanças.

Saberes tudo o que é preciso para tratares da tua contabilidade pode parecer um quebra-cabeças. Mas não te preocupes — daqui a algum tempo vai ser muito mais fácil! Se estás mesmo a começar agora, recomendo-te o episódio 11 do meu podcast Fazer Preços e Assim, onde falo dos pros e contras de ser trabalhador independente.

Porquê tratares da tua contabilidade?

Claro que podes contratar um contabilista, gastar dinheiro mas poupar tempo. Pessoalmente, acredito que, mesmo tendo um contabilista, é muito importante saberes que impostos estás a pagar e como é que eles funcionam. É importante estares seguro do destino do teu dinheiro e saberes às quantas andas. Algumas pessoas valorizam mais esse controlo financeiro do que outras, e até pode nem te fazer impressão confiares cegamente em alguém, mas, como trabalhador independente, os rendimentos inconstantes são uma realidade e a rede de segurança és tu que a constróis — saberes gerir o teu dinheiro, fazeres poupanças, saberes que impostos pagas e quando, são muito importantes para criares essa rede. É ela que te vai apanhar caso algo corra mal — ou caso venha uma pandemia, por exemplo.

Começar mesmo — abrir atividade e escolher códigos

Quando começares a trabalhar, a primeira coisa a fazer (burocraticamente falando) é abrires atividade nas finanças. Podes fazer isso on-line. Esta publicação no instagram tem mais informação que te pode ser útil.

Ao abrir atividade terás de escolher o teu código de atividade, que é uma das partes que cria mais dúvidas. Os códigos dependem do que vais vender — e se vender produtos for a tua atividade principal, o melhor será considerares-te um Empresário em Nome Individual ou ENI. Se venderes produtos, o episódio 6 do podcast é um óptimo ponto de partida para saberes mais sobre finanças! Para ser mais fácil reteres a informação, a partir do episódio do podcast fiz um documento em PDF, de download gratuito.

Para entenderes melhor a questão dos códigos, quais escolher, o que são CAE ou CIRS, recomendo-te que ouças o episódio 8 do podcast, no qual converso com a Joana Martins (do Finanças para Freelancers) sobre todas estas coisas. No fim ainda falamos sobre quando abrir empresa e se há vantagens em fazê-lo quando o teu negócio crescer.

Que impostos tens de pagar e quando?

Começo por fazer a ressalva que os códigos das finanças têm excepções. A informação que deixo é para a generalidade dos casos, mas recomendo sempre que — sobretudo se tens dúvidas quanto à sua aplicação no teu caso — vás à origem e consultes o artigo original do código do IVA ou do IRS.

Começa por ver esta publicação no instagram, que junta a informação mais básica sobre impostos.

Depois, explora cada um destes principais impostos:

Segurança Social (no blog)

IVA (no blog)

IRS (abordado a partir da retenção de IRS, porque é o que vais sentir no dia-a-dia)

Se os prazos forem um drama para ti, sugiro que subscrevas a minha newsletter dos prazos para trabalhadores independentes. São 3 a 4 emails mensais que te avisam dos prazos mais importantes. Não tem outro tipo de publicidade, só prazos — avisados de forma clara e simpática.

Ainda sobre impostos, aconselho-te a explorar estes temas:

Para calculares o valor do teu trabalho após impostos, subscreve a minha newsletter e ganha acesso à Tabela do Valor Líquido, que podes copiar a usar no teu dia-a-dia.

Também mediante subscrição das newsletter, podes ter um PDF organizado sobre a Segurança Social e os prazos.

Fazer preços e faturar o trabalho

Este tema é-me sempre próximo porque, para mim, é o nosso calcanhar de Aquiles quando trabalhamos em criatividade. A melhor sugestão que te posso dar é fazeres a minha Oficina dos Orçamentos, um curso on-line com 40 aulas escritas e alguns ficheiros de apoio, totalmente dedicado ao tema dos orçamentos.

Se procuras informação mais resumida, podes ler o artigo Como fazer um orçamento, disponível aqui no blog, ou ver a primeira dica que publiquei no instagram (e que foi o motor deste projeto todo!) que tem até uma parte 2.

Também falei do assunto no primeiro episódio do Fazer Preços e Assim e é o episódio mais ouvido de sempre! Continuei o tema no episódio 9, onde falei especificamente sobre os fatores que nos motivam a baixar ou a aumentar os nossos preços.

Uma segunda parte de fazer preços é faturar o trabalho.

O primeiro passo é entenderes a diferença entre fatura, recibo e fatura-recibo. O default é que emitas as tuas faturas no Portal das Finanças, mas se fizer sentido para ti — seja porque queres as faturas com outro aspecto, porque o Portal das Finanças não é muito amigável ou porque tens demasiados produtos ou clientes para gerir — considera utilizar um programa de faturação.

Também podes ver esta publicação no instagram sobre as partes de uma fatura/recibo.

Lidar com clientes

Os nossos clientes são o combustível do negócio. E a primeira dúvida é sempre: como encontrar clientes?

A maior parte das vezes são pessoas que querem tanto que o trabalho tenha sucesso como nós e confiam nas nossas capacidades. Algumas vezes, no entanto, pode ser um bocadinho difícil lidar com eles, com a falta de limites ou com pedidos exóticos. Sobre este tema recomendo-te estes artigos e publicações:

Gerir o tempo e manter a cabeça

A gestão do tempo pode parecer das partes mais fáceis ou das partes mais difíceis de estares por tua conta. Depende muito da personalidade de cada um. Sobretudo, acho que não deves subestimar a importância da gestão do tempo na tua vida — o burnout é real!

É um tema que gosto muito de abordar e por isso há uma série de coisas que já publiquei sobre isso. Deixo-te aqui uma lista:

Poupanças, segurança e crescer

Finalmente, quando já tiveres estabelecido as bases, podes passar para o nível seguinte: fazeres poupanças, pensares no futuro e em que objetivos pessoais e profissionais queres alcançar. Tal como a gestão do tempo, esta fase não deve ser subestimada — é que é ela que te vai criar a tal rede de segurança de que falávamos. É a organização financeira a longo prazo que te vai transformar num trabalhador independente precário em alguém que é chefe de si mesmo.

Falei a primeira vez sobre poupanças no episódio 2 do podcast, quando entrevistei a Cat Poupança e falámos sobre criação de um fundo de emergência e o seguro de acidentes de trabalho. Também há um artigo no blog sobre cada coisa — reserva de emergência e seguro de acidentes de trabalho para trabalhadores independentes.

Se esta informação foi útil para ti:

Considera pagar-me um café no buy me a coffee para poder continuar a produzir conteúdo gratuito e útil para os freelancers criativos portugueses. Sempre que recebo um café é um dos pontos altos do meu dia! 

Artigos relacionados: